Buscar

Inimigos desnaturados

Atualizado: Mar 3


Direitos autorais: © R | R | RUFINO

No episódio mais recente do podcast Bota pra Fazer, que faço com o Murilo e o Matheus da IZAgro, conversamos com o agricultor Wagner Marcondes, que tem empreendido um esforço enorme para mudar o status quo quando se trata da produção on farm e utilização de produtos biológicos para o controle de pragas e doenças.

Ainda que em muitas regiões do Brasil a utilização seja encarada com desconfiança, o fato é que este mercado cresceu 46% entre as safras 2018/19 e 2019/20, tendo movimentado uma quantia de R$ 930 milhões. É verdade que este faturamento representou apenas 2,5% do mercado total, mas é um indício de que deve continuar crescendo, sendo uma grande oportunidade para empresas e produtores.



Escute o episódio mais recente do podcast Bota pra Fazer.

Eu pretendia trazer alguns aspectos mais técnicos para este texto, mas ao buscar alguns materiais acadêmicos encontrei uma classificação dos inimigos naturais utilizados para a aplicação da técnica a campo, que jogou o meu pensamento pro mundo corporativo e logo me veio uma correlação interessante, e criei a classificação dos INIMIGOS DESNATURADOS.

A saber, os inimigos naturais podem ser classificados em três tipos, sendo eles: o predador, o parasita e o entomopatógeno. Não quero entrar nos pormenores técnicos porque seria uma perda de tempo, mas resumidamente o PREDADOR é um organismo de vida livre que durante todo o ciclo de vida devora suas presas e, normalmente, é maior e precisa matar mais de um indivíduo para completar seu desenvolvimento; já o PARASITA (ou parasitóide) são aqueles que parasitam o hospedeiro, possuindo tamanho inferior a ele e exige apenas um indivíduo para completar o seu desenvolvimento; e por fim o ENTOMOPATÓGENO, que normalmente é um microrganismo e vive e se alimenta dentro ou sobre um organismo hospedeiro.


Trazendo estas definições para o ambiente corporativo, a classificação dos inimigos naturais das pragas agrícolas, que são “do bem”, se torna a classificação dos inimigos desnaturados, que podem levar uma empresa para o buraco. Eu acredito que a grande maioria das pessoas são essencialmente boas, mas por experiência própria, julgo que todos que exercem algum cargo de liderança precisam ter os olhos bem abertos para estes três tipos de gente que, na minha opinião, não podem estar dentro do barco em hipótese alguma.

"Os inimigos desnaturados podem levar uma empresa para o buraco."

O PREDADOR é aquele indivíduo competitivo que, inicialmente pode ser considerado um bom perfil, mas que ao longo do tempo pode focar apenas na competição e se esquecer da verdadeira missão da empresa. Pra esse tipo de pessoa, o importante é ser o melhor, independentemente do como, ou seja, são aqueles que buscam o sucesso sem se preocupar com os meios para chegar lá.

O PARASITA, como o próprio nome já diz, é a pessoa que se aproveita da empresa quando deveria zelar por ela, sendo o mais perigoso para se ter na equipe. É aquele que, premeditadamente, não se importa com a correta alocação dos recursos ou, até mesmo, se diz comprometido com o posicionamento da empresa, mas na primeira oportunidade que aparece, faz coisa errada em benefício próprio.

O ENTOMOPATÓGENO, na minha opinião, é o que acaba com a harmonia do ambiente de trabalho. É aquele que considero como sendo o indivíduo tóxico, que sempre está contaminando seus parceiros de trabalho com seu pessimismo, emitindo opiniões superficiais sobre pessoas e empresa, tenta manipular e controlar os colegas e é extremamente crítico com tudo. As vezes demora para ser identificado porque dificilmente se expõe, esta tarefa ele deixa para seus manipulados.

Como disse antes, se você exerce algum cargo de liderança é importante se atentar a estes perfis porque eles são danosos a qualquer organização. Meu objetivo não foi esgotar o tema neste texto, então pergunto a você: Já se deparou com algum desses perfis no seu ambiente de trabalho?

Escreva aqui nos comentários!

*Paulo Ozaki é Engenheiro Agrônomo pela ESALQ-USP e Gestor do Canivete Nutripura. Além disso é fundador do primeiro Podcast do agronegócio brasileiro, o Agro Resenha Podcast.

89 visualizações0 comentário